[Total: 1    Média: 5/5]

A maioria das organizações, ao discutirem sobre a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental, logo o associam a altos custos.

Para muitos empresários, um selo/ certificação ambiental pode significar alto investimento e não obter retorno financeiro.

Levando essas organizações a questionarem os benefícios de uma certificação ou simplesmente da implantação de um SGA.

Como é possível tornar minha organização mais sustentável e ao mesmo tempo mais lucrativa através da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental?

Primeiro, é preciso desmitificar a ideia de que o SGA é um gasto.

É preciso tratá-lo como um investimento, e entender que cada centavo gasto em sua implantação trará um enorme retorno – financeiro e não financeiro.

Analise dados, estude os processos, adote controles e conheça os benefícios reais de um SGA: torne a sua organização sustentável e com maior lucratividade!

A norma ABNT NBR ISO 14001 traz uma série de requisitos para otimizar o funcionamento das empresas.

No que diz respeito aos efeitos provocados no meio ambiente em função de suas atividades.

Por exigir a melhoria continua não só do desempenho ambiental, mas também dos seus processos, o SGA traz uma vasta lista de vantagens.

Inicialmente pode ser que a implantação apresente custos, porém, esses custos serão mais elevados.

Principalmente se a sua organização não estiver seguindo exigências e legislações.

Acarretando no aprimoramento de infraestrutura.

Apesar do alto investimento inicial, esse aprimoramento trará para sua empresa uma segurança maior.

Em relação ao cumprimento de leis, evitando não só autuações, multas exorbitantes e paralisações.

Como também a mitigação de impactos ambientais significativos, impedindo gastos que podem ser milionários com acidentes ambientais.

Além do mais, o SGA auxiliará na melhoria do desempenho ambiental dos fornecedores,

Ajudando a evitar a responsabilização por ações de terceiros.

Emissões atmosféricas, lançamento de efluentes, excesso de matéria prima em estoque e geração de resíduos nada mais são do que perdas de processo

O que significa perda de dinheiro.

A gestão ambiental trabalha essa compreensão e também o gerenciamento dos passivos.

A fim de tratar seus impactos significativos e mitiga-los na fonte.

Esse tipo de postura traz benefícios econômicos através do aumento da eficiência no próprio processo.

Muitas oportunidades são identificadas, como por exemplo:

  • redução de emissões na fonte geradora,
  • economia de energia,
  • redução no consumo de matérias-primas,
  • valorização de resíduos,
  • planejamento da logística reversa,
  • reincorporação de fluxos na cadeia produtiva,
  • reciclagem,
  • reaproveitamento, entre outros.

Algumas empresas já lançam projetos ambientais para atentar sobre como essa redução de desperdícios.

Mmenos gasto com energia, água, matéria-prima, resíduos e emissões traz mais lucro.

Aumentando a competitividade e a satisfação ao consumidor, gerando maior produtividade.

Contribuindo ativamente para a qualidade ambiental.

Estudos realizados pelo sistema FIRJAN com cerca de 200 empresas que adotaram um SGA.

Apontam redução de bilhões de litros de consumo de água, milhões de toneladas de resíduos reciclados ou evitados.

Economia de milhões de megawatts hora de energia, milhões de toneladas de CO² sequestrado e evitado.

E o que mais chama atenção: uma economia de bilhões de reais.

Portanto, às vezes o empresário tem dificuldades de enxergar os benefícios pois não tem consciência do quanto foi evitado com a adoção dessas práticas.

A produção mais limpa tornou-se um dos maiores aliados para diminuir custos, melhorar os negócios e não agredir o meio ambiente.

O SGA também pode “abrir portas” para novos investidores e clientes.

Pois suas ações evitam ao máximo a possibilidade de passivos ambientais (impactos ambientais) que atrapalhem seus resultados financeiros.

Muitas empresas só aceitam comercializar com outras organizações que possuem certificação e estejam agindo corretamente com a lei.

Nesse sentido, a ISO 14001:2015 garante a abertura de novas oportunidades comerciais, inclusive internacionais.

Já que o mercado exterior é muito exigente no que diz respeito ao cumprimento da legislação e a forma como o produto é criado.

(veja o vídeo abaixo para entender melhor o que estou dizendo)

Fique atento às partes interessadas.

Trabalhe a cultura da organização e siga as tendências de grandes empresas e países desenvolvidos

A sociedade tem demonstrado cada vez mais uma preocupação ambiental.

Os consumidores tem se tornado cada vez mais engajados com as questões ambientais e preocupados com a origem dos produtos adquiridos.

Nos países desenvolvidos como os europeus, já é comum as pessoas optarem por adquirir produtos ecologicamente corretos.

E também produtos obtidos de processos industriais com responsabilidade socioambiental.

Ou seja, obtidos através de processos menos poluentes, geradores do mínimo impacto ambiental possível.

Esse comportamento do consumidor pode ser observado mesmo quando o produto é mais caro em relação ao seu concorrente.

Aqueles que não avaliam o meio ambiente em seus processos.

As grandes empresas começaram a prestar atenção nesta mudança de postura do consumidor e passaram a aprimorar sua administração.

Através da implantação de sistemas de gestão, inserção de projetos socioambientais, tomada de controles e ações, dentre outras posturas.

Não se trata apenas de mudar a imagem da empresa, mas sim de uma mudança cultural.

O que tem acontecido em organizações de todos os tipos e tamanhos, independente da sua atividade, processo ou produto.

No Brasil, temos a empresa NATURA como grande exemplo disso.

Segundo a Forbes, a empresa aparece pela 9ª vez no ranking das organizações mais sustentáveis do planeta.

Este ano na 14ª posição.

Essa classificação ocorre baseada em uma série de fatores-chave como:

  • consumo de energia,
  • emissão de carbono e produção de lixo,
  • gastos com inovação,
  • fornecedores com quem as empresas trabalham, dentre outros.

No caso da Natura o ponto de destaque foi o uso sustentável da biodiversidade amazônica.

Sendo um dos principais vetores de inovação da companhia, que tem mais de 80% de seus ingredientes de origem vegetal.

Atualmente, o desempenho ambiental de uma organização tem não só sido relevante para todas as partes interessadas.

Sejam internas (empregados) ou externas (fornecedores, clientes, comunidade, governo, concorrentes, entre outros).

Mas também se transformado em fator decisivo para sua sobrevivência e competitividade no mercado.

Se os seus concorrentes ainda não seguem essa conduta e não trabalham com uma melhoria continua de seu desempenho ambiental.

Apresentamos uma chance de sua organização demonstrar um diferencial aos seus consumidores.

A chave é seguir tendências de grandes empresas, que ditam o ambiente de negócios.

Observando como essas economias têm interagido e se comunicado com a população.

Remontando alguns princípios a serem observados para se ter uma empresa sustentável.

Concluindo

Observamos que, atualmente grande parte das organizações sente que o selo/certificação ambiental serve apenas para passar a imagem de boa conduta.

E também atender a exigências de clientes, não enxergando os ganhos de produtividade e de qualidade que são adquiridos na gestão.

Vale lembrar que a real importância da certificação não é a apenas a aparência, mas uma mudança cultural dentro de uma empresa.

Através da adoção de um Sistema de Gestão de Alto Nível, baseado em normas internacionais e, portanto reconhecido em qualquer lugar do globo.

Trata-se de medidas elaboradas com base em estudos para melhoria das práticas corporativas.

Gerando não só maior controle da atividade em relação ao meio ambiente, mas também trazendo lucratividade.

Qualtec Consultoria e Treinamento auxilia empresas na implantação de Sistemas de Gestão.

Como a ISO 14001:2015, de forma prática e com custos reduzidos!

Trabalhamos com uma plataforma online, orientando o gestor sobre como implementar a norma.

E nos colocamos a sua disposição todos os dias, com custo bem abaixo do convencional.